Talentos e Competências – Parte V

Tempo de leitura: 2 minutos

Na última publicação para o Blog, a qual dei continuidade sobre o assunto Talentos e Competências, finalizei assim: “A pessoa amadurecida sabe disso. Isto é o que a diferencia dos INCONSCIENTES, INCONSEQUENTES e ACOMODADOS. Dessa forma, podemos concluir que não basta apenas imprimir o seu perfil, ler e guardar. É preciso entendê-lo e melhorá-lo.

Prosseguindo com a nossa jornada de entender as COMPETÊNCIAS, ferramenta de desenvolvimento dos nossos TALENTOS, vamos abordar agora e compreender os fatores que influenciam o valor de uma competência, os quais são:

1 – Finalidade; 2 – Relevância; 3 – Motivação; 4 – Disponibilidade; 5 – Sociabilidade e 6 – Confiabilidade.

Confira os fatores mais detalhadamente:

1 – FINALIDADE: identifica que não há razão prática para se perquirir (investigar, pesquisar ou indagar) a COMPETÊNCIA de alguém, sem associá-la a uma tarefa ou projeto a ser executado. O que se deseja saber, na verdade é se um certo indivíduo é competente para exercer uma certa atividade que, aliás, pode se relacionar com mais de uma competência. Assim, não basta apenas demonstrar o quão hábil alguém é em uma Competência. É preciso saber levantar outros aspectos ligados à relação entre tarefa, competências e pessoa.

2 – RELEVÂNCIA: é comum a uma atividade, seja tarefa, projeto, curso, etc., estar associada a mais de uma competência (aqui no sentido de competência, tópico do saber). Tal associação pode se dar tanto em termos de pré-requisitos para exercer a atividade quanto em relação a aptidões que a atividade busca desenvolver. E é também rotineiro, que nesta associação, algumas competências sejam mais importantes que outras para a atividade. Por isso, é preciso valorar a relevância de uma competência para uma atividade.

3 – MOTIVAÇÃO: a pessoa quer trabalhar no projeto em questão? Sob quais condições?

4 – DISPONIBILIDADE: a pessoa tem tempo para debruçar-se diante do projeto de modo a poder cumprir o cronograma da atividade?

5 – SOCIABILIDADE: com quem esta pessoa prefere trabalhar neste projeto? Ou, com quem ela possivelmente teria atritos pessoais que prejudicariam o andar do projeto?

6 – CONFIABILIDADE: sabendo-se que a habilidade de alguém é estimada a partir de dados sobre o passado desta pessoa (diplomas, depoimentos, avaliações, etc.) o quão confiável é esta estimativa? Como saber a precisão do valor que se estima para a habilidade de um indivíduo? Claro que temos alguns elementos a considerar, tais como: origem, quantidade e tipo e absolescência. (?) se for obsolescência seria tornar-se obsoleto.

Esses fatores revelam que, quando tratamos de nós mesmos, percebemos que não é tão simples. Por isso, o MÉTODO EFP – DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS propõe a ser um divisor de águas entre seu estado atual e seu estado desejado.

Dê o primeiro passo e acesse estes links e faça download dos meus dois e-books, no menu ao lado, pois será o conjunto deste tripé que fará de você uma pessoa MAIS QUE VENCEDORA.

Até a próxima publicação, continuando com o conhecimento sobre competências.

Abraço,

Frank Moraes – O Coach

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *