3 dicas para aprender a lidar com conflitos emocionais

Tempo de leitura: 5 minutos

Quem neste mundo não teve, não tem, ou não terá um convívio com conflitos emocionais? Desde os tempos eternos que esse conflitos se manifestam.

Então vamos ao que interessa. Primeiro, precisamos entender o que são conflitos emocionais.

O termo conflito é o conjunto de duas ou mais hipotéticas situações que são exclusivas, isto é, que não podem ter lugar simultâneamente, por serem incompatíveis.

Diz ainda o contemporâneo sociólogo alemão Ralf Dahrendorf que o conflito é um fato social, universal e necessário, que se resolve com a mudança social.

E uma centena de conceitos são pesquisados, estudados, analisados, objetivando entender as diversidades dos conflitos.

Mas o objetivo aqui é mais prático do que teórico, ou seja você quer saber como resolver seus conflitos emocionais, dia a dia, não importa se, são internos; seus,  na família, no trabalho, na sociedade, na sua espiritualidade e finalmente na sua emoção, não importa quais sejam, este é que é,  e ponto.

1 – Defina o nível do seu conflito interpessoal

O conflito ocorre entre duas ou mais pessoas que estão em lados opostos; ele pode ter natureza substantiva ( leis que definem relações jurídicas ou criam direitos), emocional ou ambas.

Por outro lado o conflito pode ser inter grupal, e estes são bastantes comuns e pode dificultar muito a coordenação e integração das atividades (Ex: greves profissionais), pode ter fatores substantivos (definição acima) e ou emocionais ( objeto deste recado.

Assim, preciso que você saiba um pouco mais sobre tipos de conflitos, isto porque, você só vai saber lidar com eles, se possuidor do conhecimento sobre os mesmos, e aí, saberá manejar o famoso ” como?”

Tipos de conflito

conflitos emocionais

O Conflito construtivo acarreta benefícios para as pessoas, para o grupo e para organização ou ainda para as famílias ( palco muito comum do estabelecimento de conflitos).

Oferece aos envolvidos uma chance de identificar problemas e oportunidades que seriam negligenciados, se ele não ocorresse.

Como consequência, a criatividade e o desempenho passam a melhorar. Tipo os entendimentos familiares crescem, a harmonia nas relações profissionais se desenvolvem, as instituições passam a ser menos divergentes em relação aos seus pontos de vista, privilegiando o todo, a massa como queira adjetivar.

O conflito destrutivo age, prejudicando a pessoa, o grupo. Ocorre, por exemplo, quando dois funcionários não conseguem trabalhar juntos por causa da hostilidade interpessoal (conflito emocional destrutivo).

Conflito como este pode reduzir a produtividade e a satisfação no trabalho, contribuindo, assim para aumentar as faltas e o tur-turnover no emprego. Devemos ficar atentos aos conflitos destrutivos, e prontos para tomar as medidas rápidas para preveni-los ou eliminá-los ou, pelo menos, minimizar seus efeitos prejudiciais.

2 – Ter consciência que todos têm conflitos internos

Tenha cosciência que também temos os conflitos internos que fazem parte da nossa vida, do nosso dia dia. São descritos usualmente como a luta entre razão e a emoção.

Provavelmente você já viveu este tipo de experiência, querer uma coisa e fazer outra, ou ao invés, não querer algo e fazê-lo. Que força é esta em momentos críticos das nossas vidas se sobrepõe a nossa vontade?

Julgo que esta força tem tanto de positivo como de negativo, dependendo sempre da forma como você  interpreta esta dualidade, que o confunde e origina um turbilhão de emoções e pensamentos incomodativos.

Emoção e razão, quando se antagonizam geram-nos confusão. Neste estado débil ficamos inseguros nas decisões a tomar, podendo conduzir-nos a pensamentos e sentimentos instáveis, que se viram contra nós mesmos.

3 – Conflitos emocionais: Aprenda a lidar de forma proativa

Agora que você conhece o que é conflito interpessoal, os tipos de conflitos em que estamos inseridos, o que você deve estar se perguntando, é:

“Frank! Como lidar de forma pró-ativa com este tão delicado assunto?” E eu respondo: Com mais conhecimento sobre você no contexto. Vamos então navegar, superficialmente mas de forma eficaz nestas águas de forma que você nunca mais será o mesmo quanto a seus conflitos emocionais.

A primeira coisa a se fazer é você conhecer e saber que todos nós, temos uma Inteligência emocional, mas o que é ela? A inteligência emocional está relacionada a habilidades tais:

“Como motivar a si mesmo e persistir mediante frustrações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada, motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos comuns”. (Gilberto Vitor).

Daniel Goleman, em seu livro, Inteligência Emocional mapeia a inteligência emocional em cinco áreas de habilidades e isto uma vez praticado, vivenciado, acabaram-se seus conflitos emocionais.

1 – Auto reconhecimento Emocional: reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre.

2 – Controle emocional: habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os  para a situação.

3 – Auto motivação: dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se caminhando sempre em  busca.

4- Reconhecimento: de emoções em outras pessoas.

5 – Desenvolver: a habilidade em relacionamentos inter-pessoais.

Conclusão, as três primeiras acima referem-se a inteligência intrapessoal e as duas últimas a a inteligência interpessoal, como já definimos acima. E assim, você passará a viver uma nova dimensão de vida, a visão ampliada que o meu Método EFP de Desenvolvimento Pessoal se propõe. Ou seja saia do estado atual para o desejado.

Forte abraço.

Frank Moraes – Criador do Método de Desenvolvimento Pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *